quarta-feira, 1 de abril de 2009

Mentira, você por aqui?!!

Sim, voltei!
E não, não é brincadeira do dia da mentira, tão pouco uma ilusão de ótica, esse texto é real, eu voltei a escrever!!!! rsrs!

Estive sumida por um mês, não por vontade própria, mas esses últimos dias têm sido muito corridos, estou no primeiro semestre do curso de jornalismo, e como boa caloura ainda estou me situando, me organizando e me adaptando ao “sistema”! rsrsrs!
Muitos livros para ler, filmes para ver, exercícios, trabalhos, etc. E apenas vinte e quatro horas por dia para tudo isso. Confesso que às vezes me sobrava uns minutinhos, mas o cansaço era tanto que não tinha animo para me sentar a frente do computador. Acabava deixando para o outro dia, e para o outro e o outro... E esse dia nunca chegava.
Fiquei longe daqui e daí, não lia nenhum dos blogs que acompanho, não respondia aos meus comentários, apesar de ter dado uma passadinha para ler alguns deles. Enfim, fiquei de molho. Mas essa hibernação terminou, espero! rsrsrs!

Sei que toda essa minha justificativa pode parecer uma desculpa esfarrapada, pode ter quem leia e ache que eu simplesmente não quis mais postar, ou sei lá, a tal preguiça baiana...
Mas não é verdade, eu realmente estive sem tempo, tempo e animo para me dedicar ao blog. Mas estou me organizando, melhorei meus horários, para voltar a me dedicar ao blog como antes, ou pelo menos próximo ao que era antes! rsrsrs!!

E por falar em “preguiça baiana”, quem nunca ouviu o Caetano Veloso falar e pensou:
Esse aí honra a terra onde nasceu!
Ou:
Esse é baiano mesmo!
Ou as mais diversas variações e piadinhas sobre a preguiça baiana?
Semana passada eu recebi um e-mail de uma amiga cujo titulo era:
DOUTORADO NA PUC = TEMA: "PREGUIÇA BAIANA"
O texto fala sobre o pré-conceito das pessoas em relação ao comportamento baiano e como surgiu essa lenda de que todo baiano é preguiçoso.
Abaixo estão alguns trechos do texto que recebi por e-mail, e que gostaria que todos lessem e tirassem suas conclusões, ou modificassem alguma má idéia já pré-definida.
'Preguiça baiana' é faceta do racismo. A famosa 'malemolência' ou preguiça baiana, na verdade, não passa de racismo, segundo concluiu uma tese de doutorado defendida na PUC.
A pesquisa que resultou nessa tese durou quatro anos. A tese, defendida no início de setembro pela professora de antropologia Elisete Zanlorenzi, da PUC-Campinas, sustenta que o baiano é muitas vezes mais eficiente que o trabalhador das outras regiões do Brasil e contesta a visão de que o morador da Bahia vive em clima de 'festa eterna'.
Pelo contrário, é justamente no período de festas que o baiano mais trabalha. Como 51% da mão-de-obra da população atua no mercado informal, as festas são uma oportunidade de trabalho. 'Quem se diverte é o turista', diz a antropóloga.
[...]Elisete concluiu, após quatro anos de pesquisas históricas, que a imagem da preguiça derivou do discurso discriminatórios contra os negros e mestiços, que são cerca de 79% da população da Bahia. O estudo mostra que a elevada porcentagem de negros e mestiços não é uma coincidência. A atribuição da preguiça aos baianos tem um teor racista. A imagem de povo preguiçoso se enraizou no próprio Estado, por meio da elite portuguesa, que considerava os escravos indolentes e preguiçosos, devido às suas expressões faciais de desgosto e a lentidão na execução do serviço. >> Eles queriam o quê, que os escravos trabalhassem sorrindo?!<< Depois, se espalhou de forma acentuada no Sul e Sudeste a partir das migrações da década de 40. Todos os que chegavam do Nordeste viraram baianos. Chamá-los de preguiçosos foi a forma de defesa encontrada para denegrir a imagem dos trabalhadores nordestinos (muito mais paraibanos do que propriamente baianos).
Elisete afirma que os próprios artistas da Bahia, como Dorival Caymmi, Caetano Veloso e Gilberto Gil, têm responsabilidade na popularização da imagem.
[...]‘A preguiça, aí, aparece como uma especiaria que a Bahia oferece para o Brasil', diz Elisete. Até Caetano se contradiz quando vende uma imagem e diz: 'A fama não corresponde à realidade. Eu trabalho muito e vejo pessoas trabalhando na Bahia como em qualquer lugar do mundo'.
Segundo a tese, a preguiça foi apropriada por outro segmento: a indústria do turismo, que incorporou a imagem para vender uma idéia de lazer permanente 'Só que Salvador é uma das principais capitais industriais do país, com um ritmo tão urbano quanto o das demais cidades.' O maior pólo petroquímico do país está na Bahia, assim como o maior pólo industrial do norte e nordeste, crescendo de forma tão acelerada que, em cerca de 10 anos será o maior pólo industrial na América Latina.
Para tirar as conclusões acerca da origem do termo 'preguiça baiana', a antropóloga pesquisou em jornais de 1949 até 1985 e estudou o comportamento dos trabalhadores em empresas. O estudo comprovou que o calendário das festas não interfere no comparecimento ao trabalho. O feriado de carnaval na Bahia coincide com o do resto do país. Os recessos de final de ano também. A única diferença é no São João (dia 24 /06), que é feriado em todo o norte e nordeste (e não só na Bahia). Em fevereiro (Carnaval) uma empresa, cuja sede encontra-se no Pólo Petroquímico da Bahia, teve mais faltas na filial de São Paulo que na matriz baiana (sendo que o n° de funcionários na matriz é 50% maior do que na filial citada). Outro exemplo: a Xerox do Nordeste, que fica na Bahia, ganhou os dois prêmios de qualidade no trabalho dados pela Câmara Americana de Comércio (e foi a única do Brasil).
[...]Acredita-se hoje (e ainda por mais uns 5 a 7 anos) que a Bahia é o melhor lugar para investimento industrial e turístico da América Latina, devido a fatores como incentivos fiscais, recursos naturais e campo para o mercado ainda não saturado. O investimento industrial e turístico tem atraído muitos recursos para o estado e inflando a economia, sobretudo de Salvador, o que tem feito inflar também o mercado financeiro (bancos, financeiras e empresas prestadoras de serviços como escritórios de advocacia, empresas de auditoria, administradoras e lojas do terceiro setor).

E então, o que acharam? Concordam ou discordam?

Eu assino em baixo, concordo com cada palavra desse texto, e falo isso porque sou baiana, e posso falar com conhecimento de causa que as pessoas dessa terra trabalham, e muito.

Sei que esses pensamentos pequenos, de que baiano é preguiçoso, cearense é cabeçudo, paulistano é ignorante, amazonense é índio, carioca é malandro, gaúcho é gay e que acreano não existe, por exemplo, são de uma parte estúpida da nossa sociedade, mas é sempre bom debatermos esses assuntos para esclarecermos e quem sabe até mudarmos algumas opiniões pré-conceituosas!

Mudando um pouco de assunto, eu recebi muitos selinhos, Aninha bateu recorde!
E prometo postá-los assim que der!!

Bom, vou encerrando por aqui, senão eu não paro hoje!! É a saudade de escrever, aí o texto se prolonga! Rsrsrs!!

É muito bom estar de volta!!!

Um beijo e até a próxima!!!

24 comentários:

Claudia Pimenta disse...

oi monique! saudade... que bom lhe ver (ler...) de volta! bjs, querida!!!

Amanda Marina ♥ disse...

Eita sumida! Voltou \ô/
Hahaha!

Sabe, esse tal pré-conceito de qualquer forma, mesmo que seja a mais simples, é péssimo!
E essa coisa de gaúcho é viado é bem comum aqui no Paraná!

Beeijoos*

Pelos caminhos da vida. disse...

Olá Monique,apareceu!!!

Estava com saudades de vc menina.

beijooo.

Joaninha Bacana disse...

Bem-vinda de volta! E muito, muito sucesso na sua faculdade!!! :o) Aproveita que essa fase é muito boa :o)))
Beijocas,
Angie

Sarah disse...

Eitaa.. que essa moça tava sumida demaais !
Mas é assim mesmo.. faculdade sulga todas as nossas forças! heheh

Ah.. preguiça é encontrada em todo canto do país, do mundoo..
Todo mundo é preguiçoso.. mas sempre alguem que faz essas piadinhas
kkkkk

bju
e que bom que ta de volta!

JIME disse...

Estava morrendo de saudades.
Beijos.

rocosta disse...

Menina parece que o tal do preconceito não sairá de moda neh?
Benvinda a blogosfera.

Cαгolinα disse...

bom, conheço muitos baianos aqui em Manaus e todos eles dizem que baiano é preguiçoso mesmo ahahaha

enfim, eu acho que se os baianos têm esse 'adjetivo' é porque tiveram precedentes pra isso, mas como eu nao sei como é a Bahia e nem a vida do povo baiano, quem sou eu pra afirmar ou negar alguma coisa..

mas que essa tese de doutorado tem fundamento.. isso tem!!

Larissa. disse...

Nossa menina, sempre passava por aqui mas você sempre ausente. =/

Que bom que voltou!
;)

=*

Deisy disse...

bem vinda de voltaaa

boa semana
bjs

Renata disse...

Senti sua falta...!!!

Que bom tê-la de volta!

Beijo grande,

Renata.

Arthur Rotta disse...

Muito interessante esta tese. De fato existe muito preconceito contra os nordestinos de modo geral, não só com os baianos...

Uma das coisas mais interessantes do Brasil é o fato de significar a América Portuguesa unida, ao contrário da América Hispânica esfacelada...

Enfim, todo bairrismo tem um pouco de separatismo facista...

abraços

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

desconhecia essa da preguiça baiana, por isso não posso opinar. Apenas lhe digo que estou contente por a ver de volta. Que seja para valer,tá?

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

desconhecia essa da preguiça baiana, por isso não posso opinar. Apenas lhe digo que estou contente por a ver de volta. Que seja para valer,tá?

Carlinha disse...

xuxuzinha você voltou! Que alegria...E fazendo jornalismo!!! Sua cara!
estou sem tempo de ler tudo,mas fiquei feliz de ler o que li
Beijos e não suma

Tataahzinha disse...

Oiiii! Meu blog mudou!
Agora é esse aqui: www.peripeciasdatatah.blogspot.com

Obrigada a todos que NUNCA me abandonaram e estiveram do meu lado mesmo depois do meu afastamento!
Quem me acompanhava, peço que acompanhem no outro e saiam do antigo tá?

e agora.. VAMO QUE VAMOOO que eu to de volta!
beeeijo

Pelos caminhos da vida. disse...

Tempo de Páscoa!

Tempo de meditar, de buscar,
de agradecer, de plantar a paz.

Tempo de oração!!!

Tempo de abrir os braços, de abrir as mãos
e de ser mais irmão.

Tempo de recomeçar!

Tempo de concessão, de compromisso,
de salvação. Tempo de perdão.

Tempo de libertar, de libertação,
de passagem, de passar...

Para onde?
Para a luz, para o amor, para a vida que é eterna!

Tempo de Ressurreição.

Feliz Páscoa.

beijooo

Da Silva disse...

Concordo em gênero, número e grau. Trata-se do mesmo racismo que fez surgir os mitos de que todo judeu é pão-duro ou todos os negros e favelados são marginais.

Onde eu acho essa tese completa?

bjs. É bom ver vc de novo.

BlueVelvet disse...

Conheço bem a Baía e não acredito nessa de preguiça.
Desejo-te uma Santa e Feliz Páscoa.
Passa lá em casa.
Tens um presentinho.
Beijinhos

Sabrina Jung disse...

Feliz Páscoa guria querida!!!!!

Polêmica disse...

Olha!
Se eu não me engano, eu vi na televisão uma vez que 82% da população de São Paulo é composta por nordestinos.
Ou seja, São Paulo é uma cidade Nordestina praticamente.
O povo paulista tem a fama de ser um povo que gosta de trabalhar, ou seja, são esses nordestinos que trabalham duro para tocar essa cidade, conheço vários baianos que vieram da bahia para cá (para passar férias?) de jeito nenhum, vieram para trabalhar. O povo baiano e o povo nordestino de um modo geral, é um povo que realmente trabalha muito.
Como no meu blog eu estou falando de propagandas preconceituosas, me lembrei que sempre que aparece uma propaganda na televisão mostrando um baiano, sempre mostra ele numa rede descansando, mais uma maneira de espalhar esse conceito errado sobre os baianos.
E concordo plenamente, a chamada "preguiça baiana" é uma forma de racismo sim.
Eu não concordo com as pessoas que levam esse tipo de coisa na brincadeira. Imagine só, uma pessoa pode perder uma vaga de emprego por pensarem que ela é preguiçosa. As pessoas tem que tomar cuidado com o que falam, nem tudo é brincadeira, muitas piadinhas que são consideradas "inoscentes" podem ter uma grande maldade e má fé por de tras delas, e pode prejudicar e ofender muitas pessoas.

Beijão Nique!

TeddyLover disse...

Olá Monique, que prazer rever-te. Eu também tenho andado ausente. Muitas mudanças e em casa estou ainda sem net. Estive de férias e só no trabalho posso aqui vir e claro, não posso perder tempo.
Quanto à preguiça Baiana, eu já tinha ouvido falar, lido e ouvido algumas anedotas. Entendi perfeitamente o texto e acredito que assim seja. Não conheço o povo baiano, "conheço-te a ti" e de preguiçosa não tens nada, nem de lerda. Conheço a minha cunhada, casada com o meu irmão a seguir a mim, residem no Estado do RJ e ela é maravilhosa, uma pessoa linda por dentro e por fora e uma máquina a trabalhar. Por sinal é mestiça. Acredito que tudo seja puro e triste racismo.
Beijo grande no teu coração

SGi/Sonia disse...

Oi minha filha Bahiana!
Felizarda por morar numa terra, que o dia que eu for visitar, só volto pra buscar a Pepita heheheh
Acho tudo balela, tudo mentira e tudo uma profunda estupidez, mas o povo precisa disso, ficam ocupando a cabeça com asneiras, mas deixa pra lá...
Eu sabia que você ia entrar na faculdade, só não sabia pra qual era, garota você vai longe!
Tô cheia de orgulho de você.

Beijins carregados de saudades:*

Mulher Objeto disse...

Só passando pra dizer que eu sempre leio, mas na correria nem sempre dá pra comentar e dizer o quanto adoro...